29/11/2010

de dentro pra fora


Eu gostaria de poder provar um pouco do agridoce da paz.
ser liberdade..não apenas mais sentir... eu quero ser liberdade.
poder voar dentro e fora de mim mesma..e que Deus me ajude a saber voltar.
Porque um dia eu quero ver que não é como eles dizem que é, eu irei provar que sou capaz de realizar meus sonhos, e jogar na cara de todos os que falaram que eu não tenho importancia, que sim : EU TENHO.

Não espero nada de ninguem que não exista.


Não estou sempre na realidade, pelo contrário eu gosto e de fugir dela.
Não como o desespero de uma depressiva, eu acho. É que eu gosto de viajar dentro de mim mesma,gosto de falar bobagens que ninguém entende e que nem eu mesma sei explicar..sei apenas sentir.
Os dias estão passando a vida rodando como uma maquina que só para uma vez,e não voltará a rodar jamais.
Então você pensa sobre qual a importância que você tem na vida das pessoas,e quando sua família fiz que não é nenhuma. Você se sente mal, absurdamente mal,mesmo sem demonstrar isso explicitamente amigos que te conhecem sentem que você está diferente.. Não é preciso usar palavras nessas horas,apenas um abraço acaba com o sofrimento do instante. Mas logo volta e ai você direcciona o pensamento a outras pessoas,aos amigos.Até aonde vai a sua consideração por eles? E a deles? até aonde irá por você?
Eu tenho vontade de saber como seria depois que eu não estivesse mais aqui, quanto tempo demorariam para esquecerem de mim e quais as pessoas que iriam contar coisas que aconteceram comigo como se fosse delas...

o fim é belo, incerto.. depende de quem o vê.
eu não espero nada de ninguém que não exista.

Novembro de 2010.



Ontem peguei um diário que eu tinha ano passado, na verdade eu tenho ele
já faz alguns anos,nunca escrevi diariamente era sempre do nada, tenho preguiça e tb.. tenho um
blog, mas enfim. Ontem lendo ele vi que tudo o que eu escrevi nele em 2008 foi em Novembro
e em 2009 também... e esse ano a mesma coisa.
Seria uma rotina ? Não sei,acho que em Novembro minha sorte vira e tudo dá errado.
Talvez eu não compreenda e aceite como azar..e seja tudo uma chance de ser diferente.
Esse ano não vou brigar, nem lutar contra as coisas quem estão vindo, vou deixar acontecer
e seguir o que outras pessoas estão me dizendo ou tentando fazer acontecer.
Meus pais fizeram uma rota de planos para minha vida e eu nunca seguir nada daquilo.Bom,sou assim
é meu jeito, ainda bem que sou o que sou. Mas dessa vez vai ser diferente,e se der tudo errado
eu volto a fazer tudo errado.Provavelmente ira me agradar,eu gosto do estrago.



A felicidade escoa entre meus dedos..

23/11/2010

faz bem.


Me faz bem esse jeito de se enroscar de chegar mansinho e se aninhar de me fazer seu par;me faz bem, esse jeito bom de gostar.Esse jeito bom de gostar.Bem...Me faz bem,arrepio de imaginar me perder no lume do teu olhar,respirar, tocar o teu corpo solto no meu...Me faz bem ... Me faz bem teu jeito de gostar.

- Branquinho Bonitinho ♥

15/11/2010

texto corrido.


Tenho medo de decepcionar as pessoas, de magoá-las, de fazê-las cansarem de mim. Só queria que elas também tivessem esse medo, é tão ruim se decepcionar com alguém.
Eu sempre tive medo de magoar as pessoas,mas eu sempre via pessoas que não ligavam pra isso. E sempre as pessoas que eu mais amava... Mas agente sempre encontra alguém que é diferente, que você consegue sentir com apenas um olhar que quer o seu bem e mesmo que tudo seja inundável, você sente aquela boa vibração..
Eu gosto de gente assim, eu gosto de gente!Gente de verdade ...se é que você me entende.


- Thiagão . corinthians ♥

Não tem vergonha na cara.


Contrariada desconfortável mascarada incontrolável sufocada impenetrável manipulada indesejável...

Já falei pra você pensar melhor, se toca.. se manca!Não me constranja com papo de dó!
Se-liga e levanta!
Perdi o sono - a paz - a culpa.

Minha boca te beija em compaixão minha saliva te queima, quebrou a casa e deu nosso cão,numa esperança mimada.
Não se vendeu, pôs placa de aluga... seu prazer sanguessuga, você entrou numa rua vazia sem perguntar a saída.

Será que você ainda gosta de mim?
será que você ainda se gosta,enfim....

ódio.


Durante muito tempo eu construí uma história em cima de um castelo destruído e pra fugir dessa realidade dura eu já encontrei mais de mil motivos, agora essas palavras de 'pessoas santas' parecem música nos meus ouvidos... já que ficou QUASE insuportável ouvir a voz dos meus olhos aflitos.De tanto chorar depois que a festa acabar se eu não me matar, talvez eu peça ajuda para voltar, de um lugar da onde despenquei feito um anjo que morreu de raiva...na queda eu me despedacei mas eu já me permito mudar!
...Olhei ao meu redor para reconstruir o meu castelo caído pra viver de bons momentos sem ter que ter os olhos escondidos.Já fiz até um testamento que não tem NADA,NADA,NADA escrito
já que a minha maior herança é a que eu vou levar comigo
Pra evoluir, depois que o terror passar se eu não suportar talvez eu peça ajuda pra voltar de um lugar da onde despenquei feito um anjo que morreu de raiva na queda eu me despedacei mas eu já me permito mudar...

Esse meu ódio é... Meu ódio é...
O veneno que eu tomo querendo que [sussuro] o outro morra [/sussuro]
quero dar mais uma volta, você me deixa sem ar..

11/11/2010

2011 ...

03/11/2010

Acreditar


Você tem o dia todo para ficar triste e se sentir só, na imensidão da sua mesa de trabalho, no silêncio do celular que não toca. Mas há sempre aquela fagulha infantil de felicidade. E por qualquer coisa ela se acende. Um sms bobo, lembrar de uma piada interna e rir internamente também. Comprar chocolates. Brincar que está trabalhando em um projeto muito sério quando na verdade é só o que você já faz todos os dias. Fechar os olhos e literalmente sonhar acordada com uma data distante do calendário.

Fazer planos, acreditar.

Mas a fagulha tem um fogo muito frágil, até reles. Tão rápido se acende, tão rápido se apaga. Se não respondem suas perguntas, se ao se olhar no espelho você achar um machucadinho que não estava ali. Se pensar que suas roupas estão muito velhas. Ou se resolver encarar o silêncio no trabalho como algo opressor.

Tudo muda o tempo todo, pelo nosso olhar. Fosse uma montanha-russa: me seguro forte nas descidas. Recebo com euforia e braços abertos a guinadas que ela dá.

Mas o tempo todo permaneço meio alheia, sabendo que não passa de uma brincadeira que eu mesmo invento. E tento prolongar a alegria ensandecida de saber que o controle da brincadeira é meu, enquanto vejo fagulhas se acenderem e se apagarem na minha frente.

A arte de pular


No começo não havia um modelo certo nem havia certeza que fosse mais segura que sua cama. E mesmo assim ela foi. E depois de arriscar pela primeira vez e cair em local seguro, nunca mais parou.

Não que tenham sido grandes saltos. Coisa pequena, um passinho de cada vez. Mas dentro dela, a felicidade gigante de sair do lugar. Também aconteceu às vezes de ela ter que dar um passo para trás para então poder dar dois passos para frente. Acontece.

Então teve esse silêncio, um pouco de medo. E uma oportunidade. Ela vai tentar um salto ainda maior. Vamos acompanhar.

Toma fôlego, cria coragem. Tira o sonho da gaveta, coloca o medo no lugar. Pensa um pouco. Coloca o gato no colo. Ronrona qualquer coisa e continua.

Se vai cair, não sei. É provável que não. Uma vez estando lá em cima, ela sabe que a queda já não machuca tanto. Basta levantar e tentar de novo.

Você deve lembrar dela antigamente. Lembra? Você não a reconheceria agora, eu acho. De pulinho em pulinho ela já foi muito longe, bem mais do que podia acreditar.

E a coisa mais engraçada de todas é que agora ela luta para segurar o riso, quando antes o que mais fazia era tentar esconder o choro.

Seriam esses pequenos pulos milagrosos?

Mais desejos.



Fosse considerar o enorme saldo positivo deste ano, quem sabe eu não deveria querer mais nada dele. Mas quero. E antes que dezembro chegue ao fim ainda há aí duas ou três coisas que quero realizar.

Sendo sincera e fazendo a conta na ponta do lápis, acho que são mais do que dois ou três desejos. Quem sabe sejam quatro ou cinco. Quem sabe cheguem a dez.

Oh, Deus.

Mas estou otimista, como nunca estive. Descobri que não é tão difícil assim ter o que se quer, basta lutar. E, diante disso, descobri que posso sim lutar pelas coisas que quero. E consegui-las, então.

"Quem te viu, quem te vê, minha cara."

Aham. Vai vendo.

01/11/2010

quando tudo está dando errado


.. e tanto tempo que você até esqueceu como sorrir. E acima de você o céu está limpo, mas ainda parece chover em você. E todos os seus únicos amigos têm coisas melhores para fazer.. quando você estiver pra baixo e perdido no caminho, apenas fale pra você mesmo: 'eu vou, eu vou ficar bem!' :).